sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Pra que serve a transparência?

Fiquei confusa quanto à satisfação de um eleitor/cidadão em poder ver, através de um site do governo do Estado, onde estão sendo gastos recursos dos cofres públicos. Lembrando, é claro, que o “público” não está à deriva. O “público” também tem dono: o povo. Parece óbvio, mas o erário nem sempre é tratado dessa maneira. Achei melhor garantir que quem nos representa no Parlamento e nós mesmos, que votamos neles, saibamos disso.

Uma ideia pouco inteligente me passou pela cabeça: de que a ignorância, às vezes, pode ser mais satisfatória, nos deixar menos preocupados e com menos chances de indignação. Explico. Se não tivessem lançado nesta semana o Portal Transparência RS, eu, muito provavelmente, não teria visto alguns gastos malucos do nosso dinheiro. E, muito provavelmente, estaria escrevendo sobre a vergonha do Senado Brasileiro. E, talvez, me enganaria dizendo que o Estado ainda não é dos piores, que nossa política é diferente e blá, blá, blá. Ou ainda que, sim, a política daqui é igual à de lá, que vamos passar o resto ano falando de uma CPI que não renderá grandes coisas.

O noticiário de ontem mostrava a viagem feita pelo Gaúcho da Copa (aquele que sempre aparece na torcida dos jogos da seleção) para a África. Eu não sabia que, enquanto assistia ao jogo (e lá estava ele), quem pagava sua passagem até o outro lado do mundo éramos nós, os contribuintes gaúchos. Verba das cotas, sabem como é?! A pertinência do pagamento, segundo o próprio personagem - que é CC do governo – deve-se ao trabalho em prol do Estado. Afinal, “é uma forma barata de se levar o sul do país para os olhos do mundo”. É Copa do Mundo, amigo. E a de 2014 é aqui. Sacaram? Ele fez propaganda do Rio Grande. Promoveu o nosso Estado. Estamos na boca do povo. O mundo tá pensando que o povo daqui tem bigodes, usa bombachas e tem um amor louco pela Seleção Brasileira. Joia, não?

Obrigada, Gaúcho da Copa!

5 comentários:

Elisandra Borba disse...

quando eu digo que detesto gaúcho as pessoas me olham de cara feia. eu nasci no RS, não sou uma usurpadora das terras alheias, só não gosto dessa coisa do gaúcho de pensar que é melhor que o restante do país. A pilcha é ridícula, a dança é pegajosa, o chimarrão é nojento (passando de boca em boca)... o que temos de bom é o frio e mesmo assim, é bom para turistas...
não penso em ir embora, mas gostaria de sentir menos vergonha ao contar para pessoas de outros lugares de sou sul-riograndense. não vergonha de nosso estado, mas das pessoas que pensam que ele é melhor que os demais, o que nos dá fama de arrogantes.
está meio tarde da noite para tecer uma tese sobre o que penso. não quero ser mal interpretada, só quis dizer que se o gaúcho da copa é nosso representante de cultura... é melhor eu ir dormir para não baixar o nível (mais ainda)...

Edinho Lumertz disse...

Eu, se tivesse grana, já estaria fora daqui faria tempo. Eu vou pra Bahia, não que seja bom viver na terra do trio elétrico, mas são mais receptíveis com tudo o que a diversidade brasileira oferece. Logo, me aceitariam também. Isso foi só pra dar um prosseguimento ao que a Elis disse, que não sairia. Sobre o texto mesmo, ele está pronto para bater na nossa cara sem direito à reação. Não há o que comentar. Eu vejo a ironia e a raiva misturados com revolta de um jeito bem particular, inteligente, e bem feito. Concordo com tudo o que foi dito, só não assino embaixo porque aqui não dá pra usar caneta e não foi solicitado assinatura.

Beijo, Andressa.

Edinho Lumertz disse...

A respeito do segundo parágrafo. Ainda que o portal da transparência rs(tudo em letra minúscula porque eles não merecem meu respeito) não existisse e tu fizesseum texto falando do senado, pra nós o que vale é a reafirmação da nossa inteligência, no sentido de dizer que, ao contrário do que pensam, nós sabemos o que acontece, estamos inteirados. Tirando isso, a preocupação e a indignação podem ficar na gaveta. Eles não sairão de lá. A Marina foi para o PV, onde um filho do Sarney está. O Mercadante apertou o c...zinho. Ficou com medo. Simon não diz "coisa com coisa". Yeda segue firme. Collor também. Nunca vai parar. Sempre seremos roubados. E em breve uma CPMF com nome diferente. "Tudo certo como 2 e 2 são 5."

Não adianta reclamar, a não ser para expulsar alguns demônios de raiva de dentro de nós, de dentro de Brasília, não. E tem tudo para piorar, piorar, piorar.

Andressa Xavier disse...

É muito ruim essa sensação de que não podemos fazer nada. Falar e escrever são as únicas formas de "protestar". E não adianta nem dizer que meu voto muda alguma coisa! Poucos lembram de tudo o que acontece na hora de votar e reelegem figuras como essas que estão por aí. Não tem mais jeito.

thiagoks disse...

a ignorância é uma "benção", e isso é fato. o ser humano não sofre daquilo que não conhece/entende.

fora isso, eu não me assustaria com nada vindo de sites de "transparência". o sistema político está falido, partidos idem, e as loucuras dos caras que representam o povo só refletem isso. infelizmente esse é, simplesmente, o resultado dos valores que norteiam a sociedade hoje (papo pra um TC de Filosofia ou Sociologia, talvez largue o Jornal pra desenvolver isso, hahaha!).

tudo blablablá, vou ali escutar música. só ela salva, hahaha!

saudações!!