quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O burro vem na frente

A curiosidade faz parte do processo de construção da sociedade e das inovações também. Pela mente de curiosos se fez a luz, o carro, a geladeira... Por causa dela fazemos descobertas importantes e outras não tão importantes assim.

Mas até que ponto a curiosidade pode avançar? Creio que o conceito de curiosidade se entrelaça com o de liberdade. A tua termina no limite de atingir o outro. Minha curiosidade não pode prejudicar as outras pessoas.

Tem situações em que a curiosidade é mórbida. Nos acidentes de trânsito percebemos isso claramente. Se alguém souber a resposta, por favor, me explica, mas por que as pessoas reduzem a velocidade do seu veículo ao passar por um acidente de trânsito?

Você não é médico para ajudar, aliás, as equipes especializadas provavelmente já estão no local prestando esse socorro. Você não tem nada a contribuir, então? Por que diminuir o carro? Isso quando não param e metem a cabeça dentro da ambulância.

Sempre ouço dizer que jornalista tem que ser curioso. Sempre que conto o curso que faço para pessoas de fora da universidade, logo me perguntam: Então você é curiosa? Porque pra ser jornalista tem que ser.

Não nego que espicho a cabeça quando vejo algo diferente, não nego que gosto de saber do que acontece, mas será que a profissão exige que eu burle a integridade das outras pessoas em prol da minha e só minha satisfação? Será que meus ouvintes/leitores/espectadores querem ver a imagem de um corpo num estado que "prefiro não comentar"?


Essa foto explica um pouco o que quis dizer e na verdade foi ela que me inspirou as fazer estes questionamentos. Reparem que o acidente aconteceu no acostamento e não há nenhuma faixa bloqueada, não há ninguém impedindo o caminho. Aliás, o caminho para frente está totalmente livre, os primeiros estão com velocidade reduzida para ver o que está acontecendo e os que estão atrás, estão "pagando o pato". Será que tenho o direito de atrasar a vida de todos que estão com seus carros atrás do meu porque estou curioso para ver o que acontece?


A foto foi borrada propositalmente para não correr o risco de alguém ver seu carro ali e achar que pode cobrar alguma coisa... Aquele tipo de gente do post Oportunismo... E eu ainda me admiro!

4 comentários:

Andressa Xavier disse...

A cena aí da foto é super comum. Mas não adianta: todos param pra ver. Mesmo os que estão lá atrás reclamando que os outros pararam vão diminuir a velocidade ao chegar sua vez. O povo é curioso meesmo! Inclusive eu, que preciso admitir. Uso como desculpa o instinto jornalístico. Claro que não podemos passar dos limites, né?!

Elis, as postagens foram mesmo transmimento de pensação! hehehe

Edinho Lumertz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
thiagoks disse...

poisé, esse negócio de vida/morte [que envolve o perigo dos acidentes] mexe com o instinto das pessoas. acho que aí pode estar um indício da resposta sobre essa "curiosidade coletiva".

e uma curiosidade: devo ser o [futuro] jornalista mais "desligado" do mundo. quando acontecem coisas inusitadas - como essa - no meu dia-a-dia, nem fico curioso. até tenho me perguntado se não me falta "instinto jornalístico" por causa disso, mas essa é uma questão beeem ampla...

saudações!!

Natacha Kötz disse...

Nossa, Elis! Quando comecei a ler teu post eu respondi a pergunta mentalmente: "Bom, eu diminuo a velocidade porque não sei dirigir muito bem ainda. Imagina se eu invado o local do acidente, ou atropelo algum curioso", enfim... Quando terminei de ler o post vi que não é nada disso. Que horror. As pessoas não respeitam mesmo. Não vou negar que eu sou curiosa. Eu olho tudo que acontece de anormal (se é que podemos chamar isso de anormalidade atualmente). Mas pôxa, isso já é demais, né? Que horror. Fizeram alguma coisa pra mudar a situação da imagem ou não?