quarta-feira, 24 de março de 2010

Tomar, A cidade dos Templários

A chuva que não cessava e a “boa vontade” do senhor da estação de comboio (trem) que não quis trocar as passagens transformavam o passeio em uma furada. Mesmo assim, eu e a Amanda (minha companheira de quarto, que tive a sorte de conhecê-la ainda no aeroporto Salgado Filho, e que já se tornou uma grande amiga) não desistimos de conhecer a cidade de Tomar, na região central de Portugal. Uma cidade pitoresca e mágica, que tem como atrações o Castelo dos Templários e o Convento de Cristo, classificados pela UNESCO como Patrimônio Mundial.

Assim que chegamos à cidade tratamos que encontrar o ponto de informações, a fim de saber os principais pontos turísticos. Junto com as dicas e mapas, a guia nos deu uma pontinha de esperança. “À tarde, o tempo melhora”, disse ela. E melhorou. São Pedro atendeu aos nossos apelos, e até apareceu o sol, ainda que tímido. Outra coisa vale ser ressalta sobre o ponto de informações, a decoração do local. Com mobília e objetos oriundos do castelo e de construções históricas, o ambiente ajuda a entrar no clima templário.




Uma viagem ao passado, esse foi o sentimento que nos tomou ao entrarmos no Convento de Cristo. O convento pertenceu à Ordem dos Templários, sendo fundado em 1162, pelo Grão-Mestre dos Templários, Dom Gualdim Pais. Antes disso, a região era onde estão situadas as cidades romanas de Nabantia e Sellium. Conquistada ao Mouros em 1147 pelo primeiro Rei Português, D. Afonso Henriques, e foi então doada aos Templários em 1159. A edificação ainda conserva vestígios desses monges cavaleiros, da Ordem de Cristo e dos reis que por lá passaram. A arquitetura partilha traços românicos, góticos, manuelinos, maneiristas e barrocos.


Mas, o que mais chama a atenção é a Charola, o Oratório dos Templários no princípio do século XII. Baseada no Santo Sepulcro de Jerusalém, a Charola sofreu modificações no Infante D. Henrique e no reinado de D. João III. A decoração reflete a riqueza da Ordem de Cristo, além de pinturas e frescos que representam a Paixão de Cristo.




Igrejas
Caminhando pela cidade é possível encontrar os sinais dos Templários, seja com monumentos de seus principais personagens ou na arquitetura de diversas construções, como a Igreja de São João Baptista. Situada na Praça da República, em frente à Câmara Municipal, a igreja pertence à época em que o Infante D. Henrique era Governador de Ceuta, sendo reconstruída no século XVI no reinado de D. Manuel I.





Outra igreja que tem grande relevância histórica é a Igreja de Santa Maria dos Olivais, cuja fundação foi em meados do século XIII, no local de um antigo templo árabe. A edificação serviu de panteão aos Mestres Templários, no entanto, as obras quinhentistas destruíram esses monumentos funerários. Curiosamente, salvou-se a lápide do fundador do castelo e da cidade, Mestre Gualdim Pais (1195).








Música
Mas não só de passado vive a cidade de Tomar, durante as andanças pelas ruelas fomos surpreendidas pelo festival de Tunas Acadêmicas, música típica de Portugal. O evento ocorre pelas ruas, os grupos vão andando e tocando até chegarem a Praça da República.



Natureza

O rio Nabão contorna uma pequena ilha, dividindo o seu curso entre o leito principal e uma levada que o devia para os antigos Moinhos do Rei. Nessa pequena ilha arborizada ligada à cidade que estão situados os jardins do Parque do Mouchão.


Enfim, a cidade de Tomar respira história, seja por seus monumentos ou pelos costumes ainda cultivados, que a transformam num lugar mágico. O qual aproveitamos, literalmente, até o último instante, já que só entramos no trem e ele partiu rumo a Coimbra.






Fonte: http://www.culturaonline.pt/
http://descobrir-tomar.blogs.sapo.pt/

Um comentário:

Edinho Lumertz disse...

Agora que tu já foi na cidade de Tomar, pecisas ir na cidade de Comer(um poço de graça). Uma vez eu fui um Templário, mas não estes cavaleiros, a banda que eu tocava bateria quis que o nome fosse "Os Templários" em homenagem aos cavaleiros. Visitar um patrimônio mundial não pra qualquer bocó como eu não é mesmo! Demais! Os maneiristas devem ter se mudado mais tarde para o RJ né? Maneiro, maneiristas? Não? Ok! Desculpe(hehe). Bom, li tudo com bastante atenção. Teu texto está espetacular. As informações que tu passou são ótimas e não são cansativas para quem as lê. Altamente informativo, cheio de cultura e de curiosidades muito bacanas. Curti cada frase. Excelente! Parabéns por tudo!