segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Olá!!!

Além das conversas de sala de aula, da escadinha e proximidades do Centro 3, a partir de hoje temos um novo espaço para compartilharmos idéias, críticas e histórias que falarão desde grandes bobagens até assuntos realmente sérios, só depende do ponto de vista. Somos quatro amigas e colegas, estudamos jornalismo e temos várias outras atividades mas, neste blog, não temos a pretensão de escrever apenas textos jornalísticos. Nada isentas ou imparciais, sem uma pauta definida: assim serão nossas histórias. Ou seja, um blog de misturas e diferenças, cada uma com a sua opinião - e nem sempre elas serão convergentes. Fique à vontade para participar do Jogo de Damas! Amigos sempre são bem-vindos!

5 comentários:

Anônimo disse...

AMO VOCES TODAS

Natacha Kötz disse...

Aiii, que supimpa!
Amei!

Edinho Lumertz disse...

PRIMEIRA COLABORAÇÃO PARA O TEXTO DE APRESENTAÇÃO:

Meu comentário para esta apresentação vai se restringir a uma colaboração que vale à pena ler.

Metade/Composição: Oswaldo Montenegro

Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio.

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
Mas a outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é a platéia
A outra metade é a canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

Edinho Lumertz disse...

MINHA SEGUNDA CONTRIBUIÇÃO PARA A "LARGADA":

Paciência
Lenine

Composição: Lenine e Dudu Falcão

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

A vida não pára!...
A vida é tão rara!...

Edinho Lumertz disse...

TERCEIRA:

Tudo vai Ficar Bem/Pato Fu

Composição: John Ulhoa / Andrea Echeverry

Sei que tudo vai ficar bem
Só não sei se vou ficar também

Eu faço tanta coisa pro mundo melhorar
Eu faço de um tudo que posso pra ajudar
Eu distribuo amor, eu curo solidão
Mas peço por favor, alguém me dê a mão
A vida da trabalho, eu digo pro senhor e para a senhora
A morte é um horror

Eu luto só por paz, ajudo meu irmão
Mas sinto que o destino quer me jogar no chão

Sei que tudo vai ficar bem
Só não sei se vou ficar também