sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Sem segredos para a Internet


“Tudo o que se faz na vida virtual tem impacto na vida real”, pode até parecer uma teoria a la Matrix, mas a premissa se encaixa muito bem na era da cibercultura. Desde o advento da Internet muita coisa se transformou: fronteiras foram derrubadas; a comunicação facilitada; ninguém perde mais a novela, ela está no Youtube; e etc. Enfim, tudo que a sociedade produz está aqui, na web. Seja para bem ou não está à disposição de todos, esperando apenas um “clic”.

Entre os aspectos negativos, está a violação da privacidade, ou a ausência dela. Segundo, matéria da revista
Veja, de 12 de agosto desse ano, há diversos tipos de atentados à intimidade, alguns são provenientes das políticas de segurança do governo ou de interesses comerciais de grandes corporações. Outros são versões digitais da falta de segurança em que vivemos, como por exemplo, os furtos de senhas bancárias e números de cartão de crédito. Mais comuns são os casos de celebridades que têm a vida pessoal escancarada. Entre os casos mais clicados está o da atriz Vanessa Hudgens, a intérprete de Gabrielle em High School Musical, que teve uma foto sua sem roupa, tirada por um ex-namorado, divulgada pela rede em 2007. Sem falar no famoso vídeo de Daniella Cicarelli com o namorado numa praia da Espanha. A modelo venceu o processo, e o YouTube te que tirar o vídeo do ar. Mas como sabemos, em espaços compartilhados – principal característica da Web 2.0 – uma que vez a imagem/vídeo entrou na rede, não sai mais.

Engana-se quem pensa que esse tipo de coisa só acontece com os famosos. O Kzuka, também aborda o tema e traz uma pesquisa publicada em dezembro passado, nos Estados Unidos, que mostra que o sexting (junção de sex e texting, ou seja, sexo e envio de mensagem por celular, hoje também por internet) é cada vez mais comum por lá. Segundo o estudo, um em cada cinco jovens americanos com idade entre 13 e 19 anos já enviou pelo celular algum tipo de foto ou vídeo de si mesmo nu ou seminu. Já com os jovens entre 20 a 26 anos, o fenômeno é praticado com mais intensidade: um terço dos entrevistados declarou já ter cometido o sexting.

De maneira mais sutil, pessoas comuns tornam-se vítimas de suas próprias contas em redes sociais como Orkut, Facebook, YouTube e Twitter, nas quais acabam revelando suas vidas em fotos, vídeos e depoimentos. Atire o primeiro mouse quem nunca vasculhou a vida de alguém no Orkut! Antes de postar algo é preciso pensar bem, pois o maior risco da superexposição da intimidade na web é o arrependimento.

5 comentários:

Andressa Xavier disse...

Tô gostando de ver... Blog atualizado!! É isso aí.

Natacha Kötz disse...

Pois é... Complicado isso de privacidade. Num dia tu ama e confia naquela pessoa e no outro uma fotinho inocente pode ser moficada no Photoshop e render muita história.
Bom, "ficadica" aí pro pessoal tomar mais cuidado com o que anda fazendo.
Beijoss

Edinho Lumertz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edinho Lumertz disse...

"O preço que se paga, às vezes, é alto demais". Repito essa frase pra mim mesmo cada vez que escrevo em forma de post, comentários, twitter, perfil de orkut. Vou seguindo em frente. Se quiserem saber como penso, que tipo de pessoa eu sou, basta digitarem meu nome no google e "caçarem" as "maravilhas" que digito. Mas eu estou aqui pra isso mesmo. Quero espalhar minha forma de pensar, até para poder ser corrigido. Agora foto no orkut é foda. A gente fica ansioso pra dividir as imagens que tem com os contatos(de shows, festas, reuniões de amigos, etc)e, um dos contatos, não queria ser visto porque um outro fulaninho não poderia ver. Aí é pra matar. A pessoa que não quer ser vista não deve tirar fotos. Se não quer ser descoberta, não deve fazer. É por isso que eu tiro foto e faço um monte de merda. Se eu estivesse me sentindo bonito tiraria mais fotos ainda. Mas estou me sentindo muito feio porque estou acima do peso.

Elisandra Borba disse...

eu penso que tudo que é medido é válido. Sou uma pessoa muito "tecnológica". Adoro novidades. tenho até um pouco de preconceito quanto as pessoas que são avessas a tecnologia.
quanto a privacidade, quem não deve, não teme. eu acho o fim aqueles casais, por exemplo, que brigam por causa de orkut. pq fulana deixou recado e blábláblá. Acho que é uma desculpa fiada pra quem já não está mais afim.
Por outro lado, as pessoas precisam ter consciência que a internet é uma rede de compartilhamento mundial. Coloque nela apenas o que queres mostrar. esses dias encontrei um vídeo de uma pessoa que denegria totalmente a imagem da empresa que ele trabalha. helloou!! Obvio que alguém ia descobrir o vídeo e o querido tomaria um bom esporro ou mais do que isso.
se bem que graças a essas pessoas temos as engraçadíssimas pérolas do orkut! (maldita inclusão digital)